O valor da arte...

Hoje em dia toda a gente é artista. A minha mãe costuma pintar flores, há quem faça carteiras de fita-métrica, quem risque por riscar, quem pinte bonecos e quem de forma quase inocente se julga artista nesta coisa que é a arte. A arte confunde-se com o manual e o gestual. Afinal não há espaço para discussões, dissertações, manifestos e odes a nada. Nada é justificado.
Sem querer dar uma de beluga, acho que a arte, neste momento não existe. Parece que o objectivo desse ser artista é ser visto e confirmado, ao invés de mostrar o outro valor (qualquer que esse seja). Se assim é, apelo a todos os criativos a fazer cócó. A tornarem arte tudo o que lhes aparecer na mão, de forma a que as coisas sejam diferenciadas pelo seu autêntico valor, e não por outros valores efémeros. Destruindo assim o seu valor e mito.
Se o que nos torna "artistas" é o que nós mostramos num determinado tempo, com uma determinada expressão, apelo a todos a se exprimirem todos os momentos, pois assim vão acertar de certeza. E isso é arte.
Ser Portuga é colocar a arte como desculpa máxima para mostrarmos uma opinião do umbigo que em nada contribui para a ideia colectiva.

4 comentários:

rosa que fuma disse...

alguns acertos a opiniões palarmas (da parte duma pseudo intelectual)

Expressão e representação: diz-se que nenhum problema da filosofia tem origem na filosofia. Tem, na vida pedrada e chunga de alguém, que se dedica um sistema de ideias difícil de aprender, para tentar fazer uma pergunta, que eventualmente possa suscitar, mesmo que depois de morto, uma resposta ao SEU problema (tornando-se finalmente uma pessoa verdadeira, e não estes chassos volúveis aos altos e baixos que somos nós)
queres discutir pochetes, ou a maneira como o rock and roll salvou a tua vida?
queres-me dizer que a arte é q'era boa quando respondia ao discurso fixo dos seus clientes católicos romanos, ou que afinal também era boa quando os clientes deixaram de saber quem é que estava no poder, durante as confusões políticas no início do século, e que agora não é boa porque...?é confusa?
uma adenda sociológica, diz que nenhuma sociedade o é para dar a todos a subsistencia, mas o é porque produz cultura=queima tudo o que excede à tangente a subsistencia que se considera normal, sob a forma de comunidades monacais, imperielismo (sobre outras sociedades, né), pirâmides, férias no espaço, e porque não, queimando dinheiro (correlativo da sobrevivência)em coisas feitas de cartão com espichos de tinta, algumas vezes feitas por oportunistas, muitas muitas vezes feitas por gaj@s na situação do primeiro paragrafo. (um gajo papua é um xamã quando aceitam que ele viva naquela situação, mas prometa a certeza em vez da dúvida, tipo deus sabe)

ia, deus sabe. o que eu não sei. Já portuga, está fora da minha opinião, é demasiado insondável sem teorias da conspiração.

ratochino disse...

entendo, com esforço... e continuo com a mesma opinião.... ser artista é colocar a arte como desculpa máxima.

ratochino disse...

agora há sempre espaço para ver a arte com crítica e sarcasmos... isso já é outra coisa... agora a coisa pela coisa.... huummm

punk rosa disse...

o mesmo digo da ordem, da ordem pela ordem. e ficamos todos de acordo. na maioria das circunstancias, prefiro um minete!